Um olhar diferente para o teatro

Por Darlan Gracciose

#FulanoDiTal #16Anos #FOMTEATRO #Teatro #Olhar #Diferente

Máscaras da Tragédia e da Comédia – Símbolos que representam o Teatro (Internet)

Poucas pessoas sabem, mas além de ator e dançarino, eu (Darlan Gracciose), tenho como formação acadêmica bacharelado em Serviço Social. E hoje quero compartilhar com vocês minha ideia sobre a arte, com um olhar um pouco mais social. Colocarei aqui a importância do teatro, dentro de uma perspectiva stanislavskiana, de acordo com minhas próprias experiências, como mecanismos de transformação da realidade.

Darlan Gracciose (Ator, Dançarino e Assistente Social) – Foto: Vaca Azul

Vivemos em tempos onde a correria do cotidiano impõe a nós muitas obrigações e deveres, estabelecendo ritmos acelerados e muitas atividades. Sem falar na atual conjuntura política de nosso país, onde vemos uma instabilidade nas políticas públicas e retrocessos na garantia e defesa de direitos. Essa rotina agitada que levamos, por muitas vezes prejudica o processo reflexivo da dinâmica de nossas vidas, do nosso trabalho e de nossas relações sociais.

Correria do dia-a-dia (Internet)

A arte e por fim o teatro, proporcionam a possibilidade do indivíduo experienciar sua sensibilidade, captada através dos sentidos, e materializá-la através de uma construção artística.


Utilizando das teorias de Stanislavski, grande influenciador do teatro contemporâneo, pode-se perceber que neste processo de criação, o indivíduo vê a necessidade de construir o passado e futuro de uma personagem, sempre da forma mais coerente possível, levando em consideração o texto, seguindo ideias temporais, culturais, regionais e políticas.

Darlan Gracciose (Vivenciando o Max) – Foto: Vaca Azul

Após essa construção, se fará o uso, segundo Stanislavski, do condicional mágico “SE”, ou seja, e se eu estivesse nessa situação o que faria? É neste ponto que começa o processo reflexivo individual do ator. É através desse processo de construção que conseguimos aprimorar os sentidos reflexivos, na medida em que os elementos que o sujeito traduz na obra artística podem evidenciar os processos de opressão, violência, desigualdade social, resistência, entre outros, presentes na realidade de cada um de nós.

Darlan Gracciose – Pierrot – Em Cena de Lápide – Foto: Vaca Azul

Além de proporcionar esse processo reflexivo individual no ator, um espetáculo depois de pronto tem a capacidade de levar informação e até ser mecanismo de transformação do homem, despertando na plateia a curiosidade necessária para estimular a aprendizagem e o diálogo necessário para construir o conhecimento de modo a formar a consciência crítica da realidade tão necessária para a construção da cidadania.

Elenco e Público – Foto: Vaca Azul

Sendo assim, vejo no teatro uma grande ferramenta de transformação social, e tal fato já teve prova em diversos momentos da história. Alguns clássicos da dramaturgia mundial, Molière, Brecht, dentre outros, promoveram um teatro de resistência instigante que provocavam inquietação, questionamento, discussões que proporcionaram transformação.

"Equivocadamente, muitos compreendem o teatro como puro e simples entretenimento"

Não se dão conta de todo processo político-social envolvido. O Teatro oportuniza intervenção na realidade social e no processo de formação do humano. E dentro deste conceito, o teatro possui papel educativo estimulando a inteligência, favorecendo os processos de transformação e empoderamento da identidade pessoal e de transformação e empoderamento do papel do sujeito na sociedade.

Cena da peça “Ópera do Malandro” – Foto: Vaca Azul

E aqui a gente encerra mais esse artigo do nosso Blog, lembrando que a arte, em especial o teatro, desde o início dos tempos acompanha a evolução do homem e pode ser ferramenta de trabalho com indivíduos e grupos em diversos segmentos do conhecimento.


Viva a arte

Viva a transformação

Viva o teatro!


Elenco agradecendo mais uma oportunidade de estar em cena – Foto: Vaca Azul


32 visualizações