O que significa 800km de distância?

Por Gabriela Coniutti

#FulanoDiTal #16Anos #FOMTEATRO #Teatro #ArtesCênicas #SertãozinhoSP #Formação #Cultura

Rumo a Sertãozinho-SP

A expectativa no olhar dançava lado a lado com a madrugada. Nem frio, nem calor. Ruas vazias, e sentimentos a mil: Ora ansiedade, ora preocupação… E se o cenário não couber inteiro na nossa van? Mas e se chover e molhar? Será que a gasolina está completa? Vamos conseguir chegar a tempo para assistir ao espetáculo dos nossos colegas? Eu peguei meus documentos?

Mil e uma aflições insistiam em me acompanhar até o momento do embarque.

A van de cor branca, com exatos 15 lugares, levava 10 corações agitados. Atores, produção e direção. E a medida que ela cortava a cidade, o nascer do sol ia se formando em um desenho que só Campo Grande sabe fazer. As tonalidades de azul brincavam com o rosa e o laranja. Me distraíam. Já não tinha mais receios, eu estava onde queria e deveria estar!

O nascer do Sol

Levei comigo todos os sonhos do mundo, mais a discografia da Adriana Calcanhotto. O trecho:

“Eu ando pelo mundo prestando atenção em cores que não sei o nome, cores de Almodóvar, cores de Frida Kahlo, cores...”

Para mim nunca tinha feito tanto sentido.

Enquanto nos despedíamos do cerrado, adormeci. O conforto desta vez não foi tão simpático comigo. Pés de um lado, cabeça do outro e coluna do outro. É possível? Pois eu digo que sim! A física dentro de um ônibus ou de uma van sempre nos surpreende.

Fizemos três paradas ao todo. E em cada cidade que estacionamos senti vontade de sair, conversar com as pessoas e saber das histórias da região, porém, não tínhamos tempo. Precisávamos cumprir nossos horários para chegar ao nosso destino.

Chegamos! E a expectativa parecia interligar-se à realidade em um casamento mais que perfeito. Era muito melhor do que eu ou qualquer um pudesse imaginar. A cidade não era grande, mas era extremamente organizada. As árvores e as praças nos davam boas-vindas, o comércio local era simples, mas nos enchia os olhos.

O Teatro Municipal

Ao chegarmos no hotel, descansamos e partimos para assistir a peça: “Ariano – O Cavaleiro Sertanejo”, da companhia Ciclomáticos (RJ). Que espetáculo! Saímos em êxtase do teatro. As únicas palavras que me passavam na cabeça eram:

“Quero que o público de amanhã saia do teatro como eu saí”.
Fulanos com o Grupo Ciclomáticos (RJ)

Chegou a minha vez, dos meus amigos, de Lápide e de fazer teatro. Chegou a nossa vez, juntos! Nas coxias ouvia-se os sinais de entrada. Primeiro sinal: meu único desejo era estar ali, presente e inteira. Segundo sinal: coração palpitando, olhos fechados e mente concentrada. Terceiro sinal: Merda!

Roda dos Fulanos antes da apresentação

Nada irá apagar a experiência incrível que eu tive na 33ª Mostra de Teatro - "Américo Rosário de Souza”. Ninguém nunca irá conseguir mensuar a minha felicidade por ter feito o que eu mais amo em outro Estado. Não poderia ter sido diferente. Aprendizados e mais aprendizados.


Atriz Gabriela Coniutti

Não sei o que significa 800km de distância pra você, mas para mim, significa confirmação:


Eu vou fazer isso por toda a minha vida!


Lembrança da Mostra



0 visualização